O Barrense


Deixe um comentário

Amor da minha vida

amor da minha vida

Quem sabe eu não estou contigo pra viver para o resto das nossas vidas, que é bastante coisa?! Não posso te oferecer mundos e fundos. Em contrapartida te ofereço carinho e amor em prestações a perder de vista. Com direito a juros e correção “monetária” com o passar dos anos – ao meu lado, claro. Investe em nós que o retorno é garantido.

Quem sabe eu não precise agradecer teus ex-namorados? Pela inocência em não te reconhecer como a mulher da vida deles. Porque, devido aos insistentes erros que cometeram contigo, hoje eu e você somos nós. A certeza que faltou a eles me sobra: tu és a mulher da minha vida!

Quem sabe eu não estou contigo por que tu me mereces? Não posso apagar teu passado ao lado daquele carinha que te fez sofrer. Depende de ti erguer a cabeça e olhar para frente. Seguir em frente. De mãos dadas comigo. Eu te mostro o caminho. Deixa o passado onde ele deve ficar e vêm comigo. O que tenho a te oferecer é o presente ao meu lado. Essa livro em branco que escreveremos a quatro mãos.

Quem sabe eu não estou contigo porque te mereço? Por ser essa surpresa que a vida me presenteou e nem sei como agradecer? E suspeito, com toda certeza do mundo que, ficar ao teu lado pra sempre, pode(é) ser a melhor forma de agradecimento.

Você não sabe, sequer desconfia, mas me contaram que nossos destinos foram traçados na maternidade…


1 comentário

Amar e remar

tumblr_lji5viK6nO1qhrmjo

Amar é remar quando o companheiro fraquejar.
É ir sem saber ao certo em qual porto ancorar.
É enfrentar tempestades e não naufragar.
Amar é mais do que navegar em mar calmo.
É ver o barco fazer água e não se apavorar.
É assumir o comando do barco para o companheiro descansar.
Amar e remar nesse imenso mar que somos nós.


Deixe um comentário

Bete balanço

destino

“Saiba seu futuro aqui”, dizia a placa ao lado de uma senhora que aparentava sabedoria.

- Bom dia! – disse, me aproximando.
– …
– Hãm – pigarreei.
– Posso estar na rua, mas ainda tenho meu direito de sonhar.

Só então percebi que a mulher estava dormindo. Sentada num banquinho e de olhos abertos. Não sei se ela saberia meu futuro, mas aquilo já me impressionou.

- Perdão, não percebi que a senhora…
– Senhora, não. Cigana Dulce – disse ela, me interrompendo.
– Desculpe, Cigana Dulce.
– Garoto, qual o motivo por me acordar?
– Motivo? Bem… Meu futuro.
– Hum…
– Então…
– Me dê a palma de sua mão.

Prontamente estendi a palma da minha mão.

- Canhoto?
– Sim, isso é ruim?
– Se estivéssemos na idade média…

No que ela tocou minha mão já a largou, como se recebesse um choque.

- O que foi, o que foi? – eu disse, assustado com o que ela poderia ter visto ou sentido.

Em silêncio ela segura novamente minha mão e baixa a cabeça.

- Hum, curioso…
– O que você esta vendo?
– O teu futuro é duvidoso…
– Como assim duvidoso? Não vou me casar com a Ritinha?
– Eu vejo grana…
– Grana? Serei o Eike Batista que deu certo?
– Eu vejo dor…
– Dor? A Ritinha tá me traindo?
– No paraíso perigoso…
– Paraíso perigoso? Eu vou morrer? Mas nem cheguei aos trinta.
– Que a palma da tua mão mostrou…
– Só um pouquinho – disse, retirando a palma da minha mão.
– Não faça isso!
– Por quê?
– Teu futuro pode mudar drasticamente.
– Futuro? Tu estavas lendo meu futuro baseado na musica do Cazuza: Bete Balanço.

A cigana Dulce estala os olhos e coça a cabeça.

- Por essa tu não esperava, não é?!
– Não é todo dia que recebo um cliente com gosto musical refinado.
– Por um momento acreditei em ti, fazia sentido.
– Esse é meu objetivo: Dizer-te algo que faça sentido, mesmo não sabendo nada a teu respeito. Porque, no fundo, todas as respostas estão em ti, só precisa de um empurrãozinho.
– Balela, tu só me disse o que eu queria ouvir.
– Ou apenas o que tu teimas em não ver. Insegurança no casamento, instabilidade financeira…
– Apepeô! O que tu sabe da minha vida?
– Nada.
– Isso, nada!
– E não te perguntou como eu aparento saber tanto?
– Tá tão na cara assim?
– Parece um filme com final trágico anunciado. Nem é preciso ser cigana pra ver.
– O que eu faço?
Se você acha que está derrotado. Saiba que ainda estão rolando os dados. Porque o tempo, o tempo não pára.
Dias sim, dias não.
– Por mais dias “sim” pra você.
– Quanto te devo?
– Fica por conta da casa.

Segui meu caminho, tentando sobreviver sem nenhum arranhão…


Deixe um comentário

Visita

conto-de-fadas (1) Dia desses recebi uma visita. Às vezes fico me perguntando se ele não bateu na porta errada. Se não é engano. Nunca imaginamos que isso pode acontecer com a gente. Parece tão fora de época. Ainda me lembro como se fosse ontem: numa manhã de sábado a campainha tocou serenamente. Eu não esperava por ninguém. Me levantei, fui de encontro à porta e espiei pelo olho mágico. “Não é possível”, pensei. Voltei a olhar pelo olho mágico pra ter certeza. Sim, era ele, o AMOR. Esse sujeito que dizem não existir mais estava na varanda da minha casa. Respirei fundo, me enchi de coragem e abri a porta. Mandei-o entrar com um sorriso estampado no rosto. Por sorte minha casa estava organizada, tinha arrumado a bagunça da relação anterior – varri todos os cacos e me reconstruí, feito um quebra-cabeças que leva tempo para solucionar. Ele não trazia nada consigo. Dizia que os retalhos das relações anteriores deveriam ficar onde estão: no passado. Queria reconstruir um futuro ao meu lado com o que somos hoje, livre das amarras do ontem.

Apresentei a casa pra ele e quando chegamos ao jardim ele ficou de pé por algum tempo, apenas observando as flores. Nos sentamos e ele me explicou que o amor, no caso ele, é como um jardim. Portanto, não espere colher rosas se você não as cultivou. Nada brota ao acaso. Plante carinho, semeie cumplicidade, regue sinceridade e cuide de seu jardim para ele permanecer florido. (É ilusão de ótica o jardim do vizinho ser mais florido que o seu.)

Deixamos o jardim e nos dirigimos à sala. Ele começou dizendo que o amor não tira nossos pés do chão. Ele ensina a voar mais alto. Não é muro. É pezinho. E que irá ocupar a maior parte do meu dia. Deixou claro que lutará por mim, até suas ultimas forças, mas, se não for leve, natural e recíproco, ele não fará cerimônia alguma em arrumar as malas e sair pela porta da frente. Ele conhece o caminho. (Não duvide.)

Já faz algum tempo que ele se instalou aqui, quatro meses pra ser exato. Redecoramos a casa a nossa maneira. Bagunçamos tudo, e é nessa bagunça tão nossa que nos encontramos. Nos detalhes em comum. Nas diferenças gritantes. No abajur amarelo. No tapete persa. Mas nada supera nossa sincronia no quarto.

Eu acho que tive sorte, e não perguntei se ele bateu aqui em casa por engano. E caso ele bata a sua porta, não pergunte, o convide para entrar. Tu saberá reconhecer o amor. Ele é inconfundível, e uma excelente companhia pra tua vida.


Deixe um comentário

Declarações de amor que passam despercebidas

sera_que_1

A sociedade moderna chama de reunião cazamigas. Nada mais é do que um encontro entre mulheres para discutir questões que lhe são pertinentes. Assuntos variados, mas em todo grupo há a desilusão com o homem moderno. Onde está o príncipe encantado? Cadê o romantismo? Abrir a porta do carro é pedir muito? Duvidas que atormentam a mulher contemporânea. Muitas ainda esperam na janela a tão sonhada declaração de amor – vai morrer esperando, querida.

Logo a baixo constam declarações cotidianas que passam despercebidas, ou ignoradas. Que causam sofrimento no homem moderno por não ser compreendido ao abrir seu coração. Leia nas entrelinhas:

- Se declara pra mim!
– Vou excluir meu Tinder.

- Se declara pra mim!
– 0387
– Ãhm?
– A senha do meu celular.

- Se declara pra mim!
– Tô bloqueando aquela vaca do meu Facebook.

- Se declara pra mim!
– Saí DAQUELE grupo do whatsapp.

- Se declara pra mim!
– Tu é mais importante que meu celular.

- Se declara pra mim!
– SMS conta?

- Se declara pra mim!
– Pronto.
– O que?
– Alterei nosso status de relacionamento no Facebook.

Declaração não se pede, conquista – a não ser de imposto de renda.


2 Comentários

Café

friends-with-benefits

De promessas pela metade e sonhos a realizar nossa relação está cheia. Transbordando. Uma vertente que não temos ideia de como fazer parar. Que não pare. Que ela seja combustível para brigas e recomeços. Então senta no tapete comigo e me ajuda a organizar cada uma delas, pra facilitar na escolha de qual iremos concretizar hoje.

Não sei o que tem de extraordinário em nós, mas pode apostar, têm. Talvez seja a forma como nos conhecemos: o Tinder. Curioso lugar pra procurar romance. O amor é isso: procurar a pessoa certa no lugar errado e em raríssimas oportunidades ser surpreendido. Você foi e será a melhor surpresa que a vida tinha/tem pra mim. E surpreendente é o que tu causa em mim: um revoar de borboletas. Não tenho ideia de onde elas surgiram, por muito tempo até desacreditei que existissem. Acredite, elas existem. Basta você estar disposto a recebe-las em seu jardim.

Pode ter sido o acaso, destino, coincidência, o cupido, se já estava escrito, o universo conspirando a nosso favor ou alguma cartomante leu nossa sorte por engano, de alguma forma nos encontramos, pra não nos perdermos mais. Mentira! Me perco toda vez que te reencontro. No teu sorriso, desses que não canso de dizer que é raro, que se vê quatro ou cinco vezes na vida. Ou no teu olhar, esse que concentra tua atenção em mim e garante que sou a pessoa mais importante da tua vida naquele instante. Estar perdido contigo é ter a certeza que encontrei meu caminho. É ir, sem se importar com destino certo, basta saber que será ao teu lado.

Fecha os olhos e escolhe uma promessa ou sonho pra gente realizar. Qualquer uma, desde que envolva nós dois.

“Café”, vamos?!

(Contei que eu nem gosto de café? Mas confesso que gosto da maneira que você segura à xícara com as duas mãos – pra sentir o conforto da bebida quente. Contei que eu gosto de ti?)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.484 outros seguidores